Obesidade Mórbida, Conheça os Principais Perigos

Tempo de leitura: 4 minutos

É considerado obeso mórbido a pessoa cujo o IMC (Índice de Massa Corporal) seja maior ou igual a 40 kg/m². O IMC é reconhecido pela OMS – Organização Mundial da Saúde –  como a principal referência para classificação das diferentes faixas de peso.

Este acúmulo excessivo de gordura é classificado como Grau 3, um nível que oferece perigos para a saúde.

Os principais perigos:

  • Diabetes – Doença crônica, uma síndrome metabólica de origem múltipla decorrente da falta de insulina ou incapacidade desta de exercer suas funções de maneira adequada, levando ao aumento da glicose no sangue. Tende a se prolongar até a terceira idade.
  • Hipertensão arterial – Também conhecida pelo senso comum de “pressão alta”, é uma doença crônica onde a pressão sanguínea nas artérias se encontra constantemente elevada.
  • Trombose venosa profunda (TVP) – Coagulação do sangue no interior das veias profundas. Geralmente o trombo se forma na panturrilha, podendo se instalar também nas coxas.
  • Doenças cardiovasculares – Placas de gordura presentes na corrente sanguínea dificultam o fluxo colaborando para insuficiência cardíaca, infarto do miocárdio, fibrilação arterial etc.
  • AVC (Acidente Vascular Cerebral) – Também conhecido popularmente como “derrame”. Ocorre quando o sangue não chega ao cérebro e este paralisa.

Bem, infelizmente, além destas doenças citadas, o obeso mórbido ainda sofre efeitos sociais, como por exemplo, a dificuldade de conseguir um contrato de trabalho ou a perda do vínculo empregatício que possui, dificuldade de sentar-se numa cadeira, se locomover, passar por uma roleta no ônibus, subir escadas, calçar um sapato etc e os efeitos psicológicos como: discriminação, frustração, bullying, dificuldades afetivas e sexuais, isolamento, depressão.

Causas da Obesidade

  • Má alimentação, como por exemplo, ingestão de fast-foods, gorduras ruins e industrializados;
  • Ausência de qualidade de sono;
  • Transtornos genéticos e hereditários;
  • Sedentarismo;
  • Idade avançada;
  • Medicação cujo efeito colateral seja o ganho de peso etc.

Diante destas causas e perigos, para o obeso com IMC maior ou igual a 40, que não tenha obtido sucesso na perda de peso num período de 2 anos mesmo com tratamento clínico e o uso de medicamentos, a indicação tem sido a intervenção cirúrgica.

Características das Cirurgias Bariátricas

Cirurgia de Bypass (“desvio de estômago”)

É uma técnica mista, que promove restrição alimentar associada a mudança de absorção de nutrientes. A vantagem é o baixo risco de complicações e a possibilidade de melhoria em diagnósticos de doenças como hipertensão, diabetes, infertilidade etc.

Cirurgia de Sleeve

Conhecida como manga gástrica, é uma intervenção cirùrgica menos radical se comparada a outras bariátricas. É indicada para homens e mulheres maiores de 18 anos e abaixo dos 70 anos. Pacientes que já realizaram outras cirurgias bariátricas ou gástricas não devem fazer esse procedimento.

Balão Gástrico

Indicado para pessoas com obesidade grau I (IMC entre 30 e 34) ou grau II (IMC de 35 a 39) que já tentaram perder peso de outras formas, seja com dieta alimentar, atividade física ou medicamentos, sem resultado. O grande diferencial desse método é que ele é um procedimento ambulatorial, sem necessidade de internação e sem cortes. A redução de peso é em média de 12 kg, ideal para pessoas que precisam perder peso antes de algum procedimento cirúrgico.

Procedimento Endoluminal

É um novo método de tratamento para pacientes que fizeram cirurgia bariátrica no passado e voltaram a ganhar peso. Através de endoscopia sob sedação aplica-se um Laser, chamado argônio, na anastomose (nova comunicação realizada na cirurgia de bypass entre o pequeno estômago e o intestino delgado).

Cirurgia de Scopinaro

Nesta cirurgia a redução do estômago é menor e esta parte reduzida é retirada do corpo do paciente. Quase todo o intestino delgado (onde são absorvidos a maior parte dos nutrientes, vitaminas, ferro) é excluído da passagem alimentar e a ligação com o estômago é mais próxima do intestino grosso. É uma técnica disabsortiva, ou seja, a comida passa do estômago praticamente direto para o intestino grosso reduzindo a absorção de nutrientes provocando a perda de peso.

Dieta pós-cirúrgica

Durante 4 semanas após procedimento cirúrgico contra a obesidade, o paciente não pode ingerir sólidos. É orientado a seguir dieta líquida nos primeiros dias e depois passar para a pastosa.

Alimentos Proibidos na Fase Pós-cirúrgica

Totalmente proibida a ingestão de bebidas alcoólicas, bebidas gaseificadas (refrigerantes e água mineral com gás), leite condensado, doces, açúcares,  em grande concentração, sorvetes, sucos industrializados, alimentos pastosos, sólidos e fibrosos. O paciente deverá atingir um volume de 1 litro e meio diário para garantir a hidratação adequada.

É liberado chicletes e balas diet nesse período.

Após 30 dias do pós operatório o paciente é avaliado e liberado para ingerir alimentos sólidos, sempre com bastante parcimônia mastigando muito bem e sem pressa cada porção.

Dia 11 de outubro é comemorado o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade, determinado pela Lei 11.721/2008.

Fonte: Quero Saúde Sempre



Obesidade Mórbida, Conheça os Principais Perigos
2 (40%) 1 vote

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *